sexta-feira, 27 de novembro de 2015

Contrariando a lógica

Nãoooo consegui ficar longe. O blog faz parte da "minha terapia", então como já estava a beira de uma crise de abstinência de escrever por aqui... Volteeeeei!

O que aconteceu nesses dez dias?

Muuuuuita coisa... Muitos pensamentos, reflexões, decisões, desesperos, choros...

O sangramento finalmente parou (mais ou menos). A dor física, por incrível que pareça, ainda permanece, embora, agora, em grau menor. A dor emocional também...

Foram muitos dias com aquela desconfiança total que algo tinha dado muito errado no procedimento, afinal, a gente costuma ver relatos onde dizem "não senti dor nenhuma" e comigo foi justamente o contrário. Eu esperava não sentir dor, até porque existem remédios e tal, mas não foi o que aconteceu. Senti uma das piores dores físicas que já senti na vida. Os remédios não faziam efeito.

Coloquei na cabeça que queria saber se o hcg já havia saído do corpo, fiz exame e a resposta é que com 15 dias após amiu, estava com beta hcg = 98. Talvez daqui uns dias suma de vez.

Ontem, foi o retorno e a despedida do obstetra de alto risco. =( Afinal, não estou mais grávida...

Relatei os sintomas e ele achou por bem fazer uma checagem via ultrassom, tudo ok.

Então, conversamos sobre o que aconteceu. Cada mulher tem uma reação diferente, não há como fazer uma previsão correta, não há como saber se os medicamentos realmente irão fazer efeito... Mais uma vez me deparo com a frase "na medicina tudo é muito impreciso... ". Só que dessa vez foi dita por um profissional que passei a confiar e admirar.

O obstetra admitiu que ficou muito preocupado comigo. Lembram que eu tinha dito que ele iria viajar logo após a cirurgia e que iria deixar outro médico como substituto para emergências? Sim, ele viajou, mas não programou seu celular para desviar as chamadas pro médico substituto... Dizendo ele, ele tinha certeza que iríamos ligar nos dias de pós operatório... como, de fato aconteceu, ligamos duas vezes. Estranhamos ele próprio atender, afinal, esperávamos ser atendidos pelo outro médico.

O porque da preocupação se tudo tinha ocorrido bem? o lado psicológico. Vocês sabem como esse processo da gravidez até chegar ao aborto foi extremamente complicado. Ele também estava sabendo... eu havia escrito um relato para ele quando mandei um email tirando algumas dúvidas na tentativa de conseguir me decidir a respeito da conduta que adotaríamos no processo do aborto. E, no fim, por realmente estar esgotada psicologicamente, optei pela cirurgia. Não que a cirurgia fosse uma coisa que gostaria de fazer. Mas dentre as duas escolhas que tinha, pesando todos os acontecimentos vividos até então, a cirurgia seria a menos pior ...talvez.

Uma coisa que eu não sabia é que o estresse emocional está diretamente ligado ao limiar de dor de uma pessoa... Acho que o médico estava totalmente ciente disso. No dia do procedimento, de fato, o soro estava "batizado", um calmante talvez? Uma tentativa, embora fracassada, de minimizar o estresse do momento.

Há diversas pesquisas científicas que relacionam o estado psicológico da pessoa no PRE-operatório e a dor no PÓS-operatório. Quanto mais estressada, ansiosa e nervosa estiver, maiores as chances de sentir dor.

Então, vendo deste modo, eu estava mesmo lascada. Seria quase impossível sentir dor nenhuma, e chances enormes de sentir, muita, muita dor; como aconteceu. Muito provavelmente se tivesse optado pela expulsão espontânea também teria me acabado de dor e a dor poderia durar muito mais dias...

Ainda sinto dor, em menor quantidade. Mas, pela explicação do médico, isto está relacionado mais ao meu emocional que não esta legal... Fisicamente está tudo bem e os meus sintomas atuais talvez tenham mais a ver com meu "processo de luto". A medida que eu conseguir me desligar disso, a dor irá melhorar, como, de fato, está a acontecer.

Aproveitei a consulta para tirar várias dúvidas.

Sobre essa epidemia de casos de microcefalia e a recomendação absurda do ministro da saúde para que as "mulheres não engravidem".  Moro no Ceará, e aqui até o momento, já há registro de 16 casos. Entretanto, o médico estava tranqüilo e disse que não precisava ficar tão preocupada, ainda estão estudando se de fato existe alguma ligação entre o mosquito e o vírus da Zica. Até lá, usasse repelente. Ele recomendou o OFF.

Também tirei finalmente aquela dúvida que toda tentante tem. Há algum problema em consumir álcool, tomar medicação, ou fazer exercícios nesse tempo antes de descobrir a gravidez? Segundo o médico, não há riscos nenhum. É vida normal até o Beta marcar positivo. Com isso, já fico super mais relax. Antes dava vontade de parar a vida ou se não parasse ficava com um tremendo peso na consciência.

Perguntei também, se poderia fazer o mapeamento da endometriose que eu havia remarcado para o começo de Dezembro ou se teria que remarcar novamente. Ele disse que poderia fazer, mas que não via sentido uma vez que endometriose causa dificuldade para engravidar e eu havia ficado grávida.

Sim, a endometriose causa dificuldade, mas, dependendo do grau, não chega a impedir uma gravidez... Então eu poderia ter endometriose sim e ter ficado grávida também. Mas o real motivo desse exame é descobrir a causa daquelas pontadas no lado esquerdo, lembram? O mistério continua.

O que me deixou extremamente entristecida, foi novamente ouvir: "na medicina tudo é muito impreciso... " quando perguntei sobre o possível retorno da minha menstruação.  O obstetra disse que dependeria do meu corpo, de como ele interpretaria o fim da gravidez. Há mulheres que menstruam logo, outras que demoram meses e meses... Que eu teria que ser paciente. Pelo médico, a recomendação seria de voltar a tentar após o 1º ciclo. Mas como eu já havia questionado ele, sobre riscos de voltar a tentar antes disso e ele havia dito apenas que não havia riscos maiores, apenas seria extremamente difícil acontecer uma gravidez... Então, decidi voltar a tentar imediatamente. Se mal não faz, é apenas improvável... Porque não arriscar?

Como eu havia pedido antes, ele me indicou um médico especialista em reprodução.  Me deu um contato para falar diretamente com o médico e que dissesse que fui encaminhada por ele.

Então, por enquanto é só.


5 comentários:

  1. Fico feliz que voltou a postar, te acompanhei esse tempo off pelo TE.
    Espero que logo tenha boas notícias para compartilhar.
    Patrícia

    ResponderExcluir
  2. Não contrariou nada não. É que a vontade é muita! rsrsr Agora, com essa onda de microencefalia aí por perto eu ficaria muito preocupada. Chapa no repelente!! Beijo!!!

    ResponderExcluir