quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

E quando o marido não "ajuda"?

Nossa sociedade é muito machista. Talvez por isso essa reação exagerada do meu marido, no melhor estilo "antes que me acusem, vou me defender, atacando".

Depois daquela consulta com o especialista, até fiquei surpresa quando marido se mostrou aberto a fazer o exame, colhendo material na clinica, sem botar banca nenhuma.

Com o dia do exame chegando, o nervosismo da pessoa era notável. Chegou ao ponto de ele dizer que só ia fazer o exame porque eu queria. Porque o médico nem ia pedir nada para ele, só pediu porque eu perguntei sobre o exame. Porque ele não tem problemas e que isto já está provado porque já engravidamos uma vez.

É, o sangue subiu. Fiquei altamente irritada e magoada. Até cheguei a questionar se ele achava isso mesmo, mas vi que era melhor não insistir, o negocio era ele fazer a porcaria do exame e pronto. Não interessava o que ele achava a respeito de se deveria fazer ou não.

Tínhamos combinado dele não me dizer o resultado, porque ultimamente não ando recebendo bem as informações novas que chegam... Só que ele pegou o resultado e ficou em silêncio. Não resisti e perguntei se tava tudo bem.

"Acho que não, deu uns negócios alterados".



Marido nem prestou muita atenção as implicações do exame, porque ele não tem o costume de pesquisar a respeito, ele prefere esperar o médico "traduzir". A priori a consulta no especialista será só após retirar o mioma... Vou tentar convencer ele a ir antes disso lá, vamos ver.

Pelo que pesquisei, essa alteração é muito séria. Mas também não sei se podemos dar como certo isso, pois acho que seria preciso repetir o exame primeiro já que as amostras de material masculina são extremamente instáveis.  

terça-feira, 15 de dezembro de 2015

Dia de exame :: do marido

Hoje marido irá finalmente fazer um exame. Não que eu acho que ele tem algum problema, mas há tanto tempo queria que ele fizesse esse exame... Para ele sentir na pele um pouquinho como é estar nessa situação tão vulnerável que deixa a gente tão insegura.

É tão engraçado isso, nós, mulheres, fazemos tantos exames e procedimentos invasivos. Já eles, os homens, ainda gozam no exame.

Liguei para aquela clinica que tinha ido antes, mas dessa vez, marido estava disposto a ir colher o material lá. Então liguei e marquei.

O especialista em reprodução solicitou o espermograma. A antiga GO eu tinha convencido de solicitar o espermograma com capacitação... Só não argumentei com o especialista para solicitar o espermograma com capacitação também porque estava "anestesiada" com as ultimas notícias que tive.

Mas resolvi apesar de não entender exatamente a diferença dos dois exames, fazer o espermograma com capacitação, questionei lá no laboratório e a moça disse que esse que tem capacitação engloba o espermograma comum, então fui para o mais completo logo.

No dia da coleta, a clinica de reprodução humana estava totalmente lotada O.O

A recepção de coleta de material masculino, estava tomada por casais e não havia cadeiras livres para sentar. Felizmente não demorou muito. Foi só tempo de preencher o formulário lá e ir fazer a coleta.
Marido saiu da clinica emburrado e irritado. Não queria comentar nada ¬¬ Só disse que foi uma péssima experiência, muito desconfortável e que não voltaria a realizar coleta nenhuma. Hum

O resultado deve sair na próxima semana, mas de verdade, eu nem quero saber isso agora. Não adianta nada, só iremos voltar ao médico próximo ano, após fazer os exames lá (alguns hormonais e a histerossalpinografia) e a tal da cirurgia videohisteroscopica do mioma.

Espero que o resultado seja bom, pois assim seria uma preocupação a menos.

domingo, 13 de dezembro de 2015

Depois do inverno é a vida em cores...



Temporada Das Flores (Leoni)

Que saudade!
Agora me aguardem
Chegaram às tardes de sol a pino
Pelas ruas
Flores e amigos
Me encontram vestindo
Meu melhor sorriso

Eu passei um tempo
Andando no escuro
Procurando
Não achar as respostas
Eu era a causa
E a saída de tudo
E eu cavei como um túnel
Meu caminho de volta

Me espera, amor
Que eu estou chegando
Depois do inverno
É a vida em cores
Espera, amor
Nossa temporada das flores

Eu te trago
Um milhão de presentes
Que eu achava
Que já tinha perdido
Mas estavam
Na mesma gaveta
Que o calor das pessoas
E o amor pela vida

Me espera
Estou chegando com fome
Preparando o campo
E a alma pras flores

E quando ouvir
Alguém falar no meu nome
Eu te juro que pode
Acreditar nos rumores

Me espera, amor
Que eu estou chegando
Depois do inverno
É a vida em cores
Espera, amor
Nossa temporada das flores

Me espera, amor
Que eu estou chegando
Depois do inverno
É a vida em cores
Espera, amor
Nossa temporada das flores

Me espera, amor
Que eu estou chegando
Depois do inverno
É a vida em cores
Espera, amor
Nossa temporada das flores

Me espera, amor
Que eu estou chegando
Depois do inverno
É a vida em cores
Espera, amor
Nossa temporada das flores

Que saudade!
Agora me aguardem
Chegaram às tardes de sol a pino.



quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

Em crise

Talvez hoje esteja escrevendo as palavras ao vento, não sei se alguém irá lê-las e muito menos entendê-las.

Hoje me sinto muito triste.

Só triste?

Não...

Me sinto sozinha, com medo, sem rumo, desconfiada, fraca, incapaz e tantas outras coisas ruins. Eu sei que tudo isso não passa da minha mente trabalhando com suas distorções em looping...

Porque não basta a pessoa ter sop e ter sido totalmente ignorada pelos médicos quando buscou ajuda, não basta ter tido um aborto as 9 semanas, não basta ter descoberto um mioma submucoso e ter descoberto ser portadora de endometriose...A pessoa, além de tudo, tem depressão e isso a faz sentir pior ainda.

Me sentindo a pior pessoa do universo. 

Respirar... Ficar calma. Vai passar.



terça-feira, 8 de dezembro de 2015

Laudo e consulta com o especialista em reprodução

Marido foi na clinica pegar o laudo:



De lá, fomos para a consulta. Super achando que seria uma consulta particular porque foi marcada as pressas, mas, para a nossa surpresa, a consulta foi pelo plano.

Chegando ao consultório lá se foi novamente contar a história toda, só que dessa vez, começando lá da adolescência.


~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~

Quando eu tinha uns quinze ou dezesseis anos, um médico me falou que eu tinha a síndrome de ovário policístico - SOP, disse que ela não tem cura e essas coisas todas... e que eu precisaria procurar ajuda quando fosse engravidar... Tomei uns quinze anos de anticoncepcional por causa disso.

Em novembro/2014, parei o anticoncepcional porque queria engravidar.

Não tive ciclos, em dezembro e nem em janeiro, mas sentia umas pontadas no lado esquerdo, achava que eram cistos, achava que era a SOP dando as caras. Procurei a GO que me atendia desde que me casei. 

A GO fez os exames básicos, preventivo, ultrassonografia transvaginal, hemograma, exames hormonais. E simplesmente disse que não tinha cistos, que eu não tinha SOP e que era para eu perder peso. Não me explicou porque eu estava sem ciclo, não me explicou como que eu não poderia ter SOP, se SOP não tem cura...

Entrei numa mega depressão. Achando que tinha tomado quinze anos de remédio sem necessidade. E as pontadas sem explicação, embora leves, do lado esquerdo me preocupavam muito.

Meu ciclo voltou em fevereiro e ficou doido. Variava de dias... de 29 dias até 35 dias. Eu também estava com spottings antes da menstruação.

Em agosto, consegui melhorar um pouco o humor e comecei a fazer academia cinco vezes por semana, para ver se melhorava o peso e a minha qualidade de vida. Também consegui finalmente tomar a atitude de procurar outra opinião médica.

A "nova GO", fez novamente todos os exames: preventivo (constatou uma feridinha no colo do útero que foi tratada e os spotting pararam depois disso); hemograma, exames hormonais e ultrassonografia transvaginal. Novamente, descartaram a SOP. Continuei sem entender...
A "nova GO", então suspeitou de "Endometriose". Pediu alguns exames: CA 125, Histerossalpinografia, mapeamento para rastreio de endometriose e espermograma. Disse que dependendo do resultado me encaminharia para um especialista. Essa consulta foi em setembro. 

O exame de mapeamento estava marcado para o dia 09.10 e os demais estava dependendo do dia que o RED iria chegar.

Só que, no dia 05.10, dia 37dc, eu fiz um beta HCG e deu POSITIVO. \o/ A felicidade durou exatos 30min, comecei a sangrar.

Fui para a clinica da "nova GO", ela estava viajando. A clinica me mandou para a emergência. Na emergência fizeram exames, o ultrassonografista disse que tinha saco gestacional com descolamento e um risco enorme de aborto. A médica plantonista me atendeu no corredor do hospital simplesmente dizendo: "Está abortando mesmo, volte para casa, espere sair uma bolinha e se continuar sangrando depois de três dias, volte aqui para fazer uma curetagem."

No dia seguinte, liguei para remarcar meu exame de endometriose, remarquei para dia 04.12 e depois ligamos para a clinica da "nova GO", onde existem outros GOs... não conseguimos nenhum que atendesse a gente. Fiquei desesperada. Encontraram uma Ginecologista que se solidarizou com a situação e nos atendeu como encaixe de emergência. 

Ela pediu outro Beta HCG que constatou que eu não estava abortando, o HCG aumentou, mas não dobrou. Passou progesterona 200mg, repouso e ultrassom com 15 dias. 

15 dias depois, novo ultrassom. Embrião com batimentos cardíacos 130. Mas descolamento com 84% da área do saco gestacional. Levamos para Ginecologista, ela disse "diagnóstico reservado. Precisa ter fé e acreditem em milagres". Aumentou a progesterona para 400mg, repouso e ultrassom com 15 dias.

Dois dias depois, fomos para um Obstetra de alto risco. Que fez outro ultrassom na hora e constatou descolamento com 45% e a idade gestacional diferente da que seria DUM. Possível explicação: ovulação tardia. Deu as mesmas indicações: progesterona 400mg, repouso e ultrassom com 15 dias.
15 dias depois, estaria com 9 semanas pela idade que o obstetra havia dado. Embrião sem batimentos cardíacos, com tamanho compatível com 7 semanas. Aborto retido. Suspender a progesterona e definir o que seria feito.

Aguardei alguns dias e optei por realizar uma AMIU, dia 11.11.

Pós operatório da AMIU foi complicado, pois senti muuuuuitas dores e os remédios não faziam efeito nenhum.



No retorno da AMIU, foi constatado através de ecografia abdominal, que apesar da dor, estava tudo "ok". Perguntei se poderia fazer o exame do dia 04.12 apesar de ter feito amiu tão próximo. O obstetra disse que sim, mas que não via lógica, já que endometriose causa dificuldades para engravidar e eu tinha engravidado.

No dia 04.12, fiz enfim o exame... e a ultrassonografista me deixou louca.


Ela disse que tinha um MIOMA de 1cm na parte interna do seu útero, ele causa problemas para implantação. E não entendia como não tinham visto isso. Falou também que tinha um CISTO no seu ovário esquerdo. E que tinha FOCOS DE ENDOMETRIOSE em ambos os ovários e ligamentos.

Ela disse que tinha que fazer a histerossalpinografia para avaliar as trompas, mas que só poderia ser feita apos a menstruação aparecer, que existia medicação para agilizar isso. Disse que teria que realizar cirurgia de videohisteroscopia para tirar o mioma e que possivelmente teria que fazer uma videolaparoscopia e que havia grandes chances de encontrar mais focos de endometriose. Bem, me mandou ir conversar com algum médico e avaliar o que faria.

Bem, e era isso, estávamos lá.

~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~

O médico, primeiramente, disse que com certeza eu tinha a síndrome de ovário policístico SIM, porque eu tenho o todo o biótipo da síndrome. Disse que as GO por não ter visto cistos, já descartaram de cara. Mas que a síndrome não se caracteriza só pela presença de cistos. Então, teria que fazer um acompanhamento da ovulação para saber, coisa que elas não fizeram.

Olhou o laudo do exame de endometriose e disse que eu tinha sim, mas que aparentemente ela era grau leve, já que eu engravidei naturalmente. Disse que apesar de tudo que disse a médica que realizou o exame, ela não quis se comprometer muito e nem classificou o grau dos focos. Ele notou pelo laudo, uma certa insegurança dela e, que, por isso, ele não indicaria uma cirurgia só para tirar essa dúvida. Ele acha que primeiro devemos tratar as demais coisas para depois nos preocuparmos com isso.

Primeiro, ele falou que eu teria que voltar a tomar anticoncepcional, assim que meu ciclo voltasse, para garantir que eu teria o próximo ciclo e garantir que eu não engravidasse nesse meio tempo já que poderia ter outro aborto pois estou com esse MIOMA.

Ele disse que o MIOMA realmente precisa ser tirado, devido a sua localização. Ele pode ter provocado o aborto. Falou que faríamos uma videohisteroscopia para retirar ele.

No próximo ciclo, já tomando anticoncepcional, eu poderia então fazer a histerossalpinografia e a videohisteroscopia e alguns exames hormonais.

Depois, faríamos uma avaliação da SOP e todas as implicações hormonais e na ovulação. Disse que essa questão hormonal, também poderia ter sido a causa do aborto, já que começaram a progesterona muito tarde, já após o inicio do descolamento, e que me deram baixa quantidade de hormônio. Dizendo ele, que eu precisaria de uma dose de uns 600 a 800mg ao dia.

Eu questionei, se não tratar a endometriose poderia causar um novo aborto. Ele disse que sim, mas que valia a pena arriscar, já que ela aparenta estar em grau leve. Ele disse que talvez, o risco de mexer nela não compensasse. Talvez resolvendo esses outros problemas, conseguiríamos ter uma nova gravidez e que ela fosse adiante e, com isso também, estaríamos amenizando a endometriose, com a suspensão da menstruação durante a gravidez.

Ele fez as solicitações desses exames para mim. Aí olhei para ele e apontei para o marido que estava sentado ao meu lado. "E ele, não vai fazer nada???" Aí o médico especialista riu e fez a solicitação do exame espermograma dizendo "E o dele não dói nada".

Depois marido perguntou sobre a Zica e suas implicações. Aqui no Ceará já consta até agora, dia 08.12.15, 40 casos de microcefalia.

O médico disse, "infelizmente está acontecendo isso, mas não há sentido em adiar a gravidez, a endometriose vai se agravando. A gente não tem previsão de quando essa situação irá se resolver. E falando de Brasil, talvez nunca se resolva, vamos ser realistas. É mais fácil, engravidar e dar um jeito de passar a gravidez em outro país. Então, as recomendações são, usem o repelente e sigam em frente".

domingo, 6 de dezembro de 2015

Emoções :: Exame de mapeamento da endometriose

Sai lá do exame de mapeamento da endometriose aos prantos.

Como pode? Como pode ter aparecido tanta coisa?

Como pode estar com um "mioma submucoso" e ninguém ter visto ele durante as ultras na gravidez? Meu guerreirinho escolheu justamente lá para se colar? Minha nossa.

Para quem não sabe, geralmente miomas não tem muito problema... A não ser que sejam muito grandes ou a localização seja ruim...

Esse mioma que apareceu é pequeno, tem 1cm, mas a localização é a pior possível, é submucoso. Causa falhas de implantação e aumenta consideravelmente o risco de aborto.

=(

A endometriose, vocês sabem, eu tinha aquela desconfiança... Por causa das pontadas do lado esquerdo. Já era meio esperado... Só que eu nunca tinha me aprofundado muito nisso, porque sempre tive a esperança de ser exagero meu...

Fui fazer o exame de sexta, por pura teimosia. O obstetra tinha comentado que não via sentido em fazer esse exame, uma vez que eu tinha engravidado e a endometriose causa dificuldades de engravidar.

Mas insisti para fazer mesmo assim, afinal, o que poderia acontecer era dar negativo e eu descartar isso de vez da minha cabeça. Infelizmente não foi o que aconteceu.

=(

Pela o que a terrorista da ultrassonografista disse, eu teria que fazer necessariamente duas cirurgias, uma videohisteroscopia e uma videolaparoscopia.

E como, meu pós operatório da AMIU foi o pior possível, eu fiquei super assustada com essa possibilidade. Alias, ainda estou assustada...

Quarta passada a psicologia havia me perguntado o que eu faria para ser mãe. E eu tinha respondido "qualquer coisa, até fazer outras coisas dolorosas como foi a amiu...". Só que juro, não esperava que na sexta seguinte, fossem me dizer de cara que teria que fazer exatamente isso. Mais cirurgias. E o pior, fui pesquisar sobre a videolaparoscopia e os efeitos sobre os ovários, uma vez que a ultrassonografista falou que a endometriose está confirmada nos dois ovários. Super me desesperei. =( Pode ter perda da função ovariana.

Marido conseguiu ligar para o médico especialista que o obstetra havia indicado, e conseguimos marcar uma consulta para segunda. O laudo definitivo do exame, também só sairia segunda.

O final de semana de espera, como devem imaginar, não foi nada legal. Muito choro, muita insonia.

sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

ENDOMETRIOSE e mais...

Quarta feira comecei o preparo para o exame de hoje:



A pessoa foi fazer o tal exame de mapeamento para diagnóstico de endometriose (que foi passado pela GO que tinha ido em agosto), o exame estava marcado para o dia 5.10 e foi remarcado para 4.12 por conta da gravidez / aborto.

Aí a médica responsável pelo exame diz:

- Tem um MIOMA de 1cm na parte interna do seu útero, ele causa problemas para implantação. Eles não viram isso nos exames?

- Tem um CISTO no seu ovário esquerdo. Não sabiam disso?

- Tem FOCOS DE ENDOMETRIOSE em ambos os ovários e ligamentos.

Ela disse que tinha que fazer a histero para avaliar as trompas, mas que só poderia ser feita apos a menstruação aparecer, que existia medicação para agilizar isso. Disse que teria que realizar cirurgia para tirar o mioma e que possivelmente teria que fazer uma videolaparoscopia e que havia grandes chances de encontrar mais focos de endometriose. Bem, me mandou ir conversar com algum médico e avaliar o que faria.

quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

Domingo na praia

Aí a pessoa comprou o repelente, ok.

Decidiu ir para praia. Passou protetor, depois passou o repelente...

Aí chega em casa e se depara com isso na batata da perna:



Pânico se instala.

Não que eu ache que isso já fosse me deixar doente com ZICA. O pânico é por constatar que eu não passei direito. Tenho que treinar isso. Espalhar direitinho em TODOS os lugares.

Vou treinando. Temporada de chuvas a caminho.

Descobri que o OFF indicado pelo obstetra tem pouquíssima duração, estou a procura do EXPOSIS agora, ainda não encontrei para comprar.


quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

Em fase...

...De testes

As vezes é assim que me sinto. Atualmente parece que estou sempre a escutar: "Até onde vai a sua fé?".

Eu acredito que Deus tem planos para cada um e, sendo assim, acho que ele já sabia de todos esses percalços que iriam e ainda vão me acontecer.

Mas também acredito que ele não dá um fardo maior do que podemos carregar.

Olhando tudo, acho que Ele me enxerga muito mais forte do que eu própria me vejo.

Diante disso, o que posso fazer senão seguir em frente? Se ele acredita em mim, quem pode contestar isso? Se Ele tem fé em mim, não posso fazer nada menos, senão ter o mínimo de fé nele também.

Sim, parece que tudo vai contra. E agora, para completar, tem Zica. mas se Deus está comigo, quem será contra?

Me chamem de louca então... Sim, pois não vou adiar nada, não vou desistir. Deus está comigo. Vou estar tentando e não tenho garantias nenhuma que irei engravidar logo. Não tenho garantias nenhuma que meu futuro amor será totalmente saudável ou não.

Segurei na mão dele, to usando repelente e estou novamente saltando de paraquedas.


sexta-feira, 27 de novembro de 2015

Contrariando a lógica

Nãoooo consegui ficar longe. O blog faz parte da "minha terapia", então como já estava a beira de uma crise de abstinência de escrever por aqui... Volteeeeei!

O que aconteceu nesses dez dias?

Muuuuuita coisa... Muitos pensamentos, reflexões, decisões, desesperos, choros...

O sangramento finalmente parou (mais ou menos). A dor física, por incrível que pareça, ainda permanece, embora, agora, em grau menor. A dor emocional também...

Foram muitos dias com aquela desconfiança total que algo tinha dado muito errado no procedimento, afinal, a gente costuma ver relatos onde dizem "não senti dor nenhuma" e comigo foi justamente o contrário. Eu esperava não sentir dor, até porque existem remédios e tal, mas não foi o que aconteceu. Senti uma das piores dores físicas que já senti na vida. Os remédios não faziam efeito.

Coloquei na cabeça que queria saber se o hcg já havia saído do corpo, fiz exame e a resposta é que com 15 dias após amiu, estava com beta hcg = 98. Talvez daqui uns dias suma de vez.

Ontem, foi o retorno e a despedida do obstetra de alto risco. =( Afinal, não estou mais grávida...

Relatei os sintomas e ele achou por bem fazer uma checagem via ultrassom, tudo ok.

Então, conversamos sobre o que aconteceu. Cada mulher tem uma reação diferente, não há como fazer uma previsão correta, não há como saber se os medicamentos realmente irão fazer efeito... Mais uma vez me deparo com a frase "na medicina tudo é muito impreciso... ". Só que dessa vez foi dita por um profissional que passei a confiar e admirar.

O obstetra admitiu que ficou muito preocupado comigo. Lembram que eu tinha dito que ele iria viajar logo após a cirurgia e que iria deixar outro médico como substituto para emergências? Sim, ele viajou, mas não programou seu celular para desviar as chamadas pro médico substituto... Dizendo ele, ele tinha certeza que iríamos ligar nos dias de pós operatório... como, de fato aconteceu, ligamos duas vezes. Estranhamos ele próprio atender, afinal, esperávamos ser atendidos pelo outro médico.

O porque da preocupação se tudo tinha ocorrido bem? o lado psicológico. Vocês sabem como esse processo da gravidez até chegar ao aborto foi extremamente complicado. Ele também estava sabendo... eu havia escrito um relato para ele quando mandei um email tirando algumas dúvidas na tentativa de conseguir me decidir a respeito da conduta que adotaríamos no processo do aborto. E, no fim, por realmente estar esgotada psicologicamente, optei pela cirurgia. Não que a cirurgia fosse uma coisa que gostaria de fazer. Mas dentre as duas escolhas que tinha, pesando todos os acontecimentos vividos até então, a cirurgia seria a menos pior ...talvez.

Uma coisa que eu não sabia é que o estresse emocional está diretamente ligado ao limiar de dor de uma pessoa... Acho que o médico estava totalmente ciente disso. No dia do procedimento, de fato, o soro estava "batizado", um calmante talvez? Uma tentativa, embora fracassada, de minimizar o estresse do momento.

Há diversas pesquisas científicas que relacionam o estado psicológico da pessoa no PRE-operatório e a dor no PÓS-operatório. Quanto mais estressada, ansiosa e nervosa estiver, maiores as chances de sentir dor.

Então, vendo deste modo, eu estava mesmo lascada. Seria quase impossível sentir dor nenhuma, e chances enormes de sentir, muita, muita dor; como aconteceu. Muito provavelmente se tivesse optado pela expulsão espontânea também teria me acabado de dor e a dor poderia durar muito mais dias...

Ainda sinto dor, em menor quantidade. Mas, pela explicação do médico, isto está relacionado mais ao meu emocional que não esta legal... Fisicamente está tudo bem e os meus sintomas atuais talvez tenham mais a ver com meu "processo de luto". A medida que eu conseguir me desligar disso, a dor irá melhorar, como, de fato, está a acontecer.

Aproveitei a consulta para tirar várias dúvidas.

Sobre essa epidemia de casos de microcefalia e a recomendação absurda do ministro da saúde para que as "mulheres não engravidem".  Moro no Ceará, e aqui até o momento, já há registro de 16 casos. Entretanto, o médico estava tranqüilo e disse que não precisava ficar tão preocupada, ainda estão estudando se de fato existe alguma ligação entre o mosquito e o vírus da Zica. Até lá, usasse repelente. Ele recomendou o OFF.

Também tirei finalmente aquela dúvida que toda tentante tem. Há algum problema em consumir álcool, tomar medicação, ou fazer exercícios nesse tempo antes de descobrir a gravidez? Segundo o médico, não há riscos nenhum. É vida normal até o Beta marcar positivo. Com isso, já fico super mais relax. Antes dava vontade de parar a vida ou se não parasse ficava com um tremendo peso na consciência.

Perguntei também, se poderia fazer o mapeamento da endometriose que eu havia remarcado para o começo de Dezembro ou se teria que remarcar novamente. Ele disse que poderia fazer, mas que não via sentido uma vez que endometriose causa dificuldade para engravidar e eu havia ficado grávida.

Sim, a endometriose causa dificuldade, mas, dependendo do grau, não chega a impedir uma gravidez... Então eu poderia ter endometriose sim e ter ficado grávida também. Mas o real motivo desse exame é descobrir a causa daquelas pontadas no lado esquerdo, lembram? O mistério continua.

O que me deixou extremamente entristecida, foi novamente ouvir: "na medicina tudo é muito impreciso... " quando perguntei sobre o possível retorno da minha menstruação.  O obstetra disse que dependeria do meu corpo, de como ele interpretaria o fim da gravidez. Há mulheres que menstruam logo, outras que demoram meses e meses... Que eu teria que ser paciente. Pelo médico, a recomendação seria de voltar a tentar após o 1º ciclo. Mas como eu já havia questionado ele, sobre riscos de voltar a tentar antes disso e ele havia dito apenas que não havia riscos maiores, apenas seria extremamente difícil acontecer uma gravidez... Então, decidi voltar a tentar imediatamente. Se mal não faz, é apenas improvável... Porque não arriscar?

Como eu havia pedido antes, ele me indicou um médico especialista em reprodução.  Me deu um contato para falar diretamente com o médico e que dissesse que fui encaminhada por ele.

Então, por enquanto é só.


terça-feira, 17 de novembro de 2015

Dando uma pausa

A jornada até agora foi bastante longa.

Começou em novembro/2014, com a parada do AC que tomei durante 15 anos... Teve ciclos de amenorréia, exames de farmácia negativos, betas negativos, desespero, desilusão com a classe médica e começo de depressão, começo de rotina diária de exercícios, nova esperança com outra médica, possíveis exames, gravidez de surpresa, período de espera, morte... novamente voltando a um período de espera, minha mente novamente chora...

Fiz o procedimento dia 11.11.15.

Tenho dores físicas, atualmente tomando três medicações para a dor simultaneamente...

Tenho sangramento, que vai e volta. Some e reaparece com impacto total...

Dizendo o médico que pode haver sangramento até 15 dias após o procedimento, estou calculando esse prazo para que a dor acabe também, apesar que ele não tinha falado nada sobre dor. Segundo ele, não era para estar sentindo tanta dor física.

Já pensei tanto, queria voltar a tentar logo. Mas toda vez que a dor chega (são como facadas...me sinto cortada por dentro), me desespero. Será que deu algo errado? Será que isso é normal? Quando será que vai passar? Será que sentirei dor ao tentar ter relações?

Tenho consulta de retorno 15 dias após o procedimento, exatamente no período que teoricamente é para tudo ter acabado... Sangue e dor. Tenho medo...de mais alguma coisa dar errado. Tenho esperança que esse pesadelo acabe de uma vez.

Penso em ir fazer um Beta pouco antes da consulta, só para ver se já zerou...O médico não me disse se iria fazer um ultrassom, mas acredito que ele vá fazer, durante a consulta de retorno.

Queria voltar a tentar. Mas bate um medo, e se acontecer tudo novamente?  Tenho medo de ter dado mais alguma complicação e que demore ainda mais para dar certo novamente...

Ao mesmo tempo, eu fico feliz. Eu fui mamãe. Quer dizer que é possível sim. Foi difícil, mas é possível.

Queria voltar a tentar. Eu sondei com o obstetra e ele disse que após o primeiro ciclo já poderia voltar as tentativas. Podia até arriscar antes, só que tendo consciência que tentar antes de ter o primeiro ciclo, teria chances mínimas... Por causa da bagunça que fica, no endométrio, na ovulação...

Engravidar antes do primeiro ciclo, não traria risco aumentado de aborto, essa questão do endométrio fino não prejudica gravidez, apenas diminui a capacidade de engravidar. Enquanto o endométrio não atinge novamente a medida ideal, o embrião simplesmente  não terá espaço para se fixar. Se, por acaso, conseguir engravidar, será porque o endométrio já estará recuperado e preparado para uma nova gestação.

Não há como saber como ficará a ovulação. Não sei se ovularei, posso ter ciclo anovulatório. Se ovular, também não sei quando será. Não sei se depois de 15 dias após o procedimento, ou bem depois disso.

Não sei quando a menstruação irá retornar. Se com 28 dias, com 30 dias, com 45 dias...qualquer dia é dia. Se passar dos 45 dias e não chegar, significa que precisarei investigar as causas da amenorréia.

Estou de certa forma, arrasada. Quando você quer muito uma coisa, mas sabe que não tem nada que possa fazer no momento...

Estamos praticamente no final do ano... 15 dias após o procedimento, irá cair no final de Novembro. Se o ciclo resolver chegar com 30 dias, chegará na metade de Dezembro. Se chegar apenas com 45 dias, pegará exatamente o recesso de natal... Então, tenho que me conformar, agora só ano que vem.

Obstetra prometeu que me encaminharia para algum médico mais especializado que esteja disposto a realmente me ajudar, não igual a todos os médicos que fui até agora, que parecia que era um favor muito grande me atender, pedir exames então, só milagre...

Mesmo assim, acho que os exames só poderão ser feitos, após o primeiro ciclo?

2015 vai se indo. De novembro/2014 até agora, novembro/2015...

Em janeiro/2016, um ano e um mês de tentativas, um aborto. Sim, é uma longa história...

Não há nada que possa fazer agora. Vou deixar essa história de lado até o ano que vem. Vou tentar viver a vida, tentar segurar as lágrimas, esquecer um pouquinho os sonhos...

Que 2016 venha cheio de esperança, seja um novo começo.

Tchau, até o ano que vem.

sexta-feira, 13 de novembro de 2015

Um ponto final

Hoje após conseguir dormir (fazia dois dias que não dormia direito), acordei bem melhor.

As dores continuam, quando me movimento... mas, em compensação, o sangramento está bem menor e agora eu consigo fingir que estou só no RED.

marido e eu, chegamos a conclusão que:

-Para ele, a vida começa após o nascimento.

-Para mim, a vida começa a partir do beta positivo.

-Então, para ele, não houve morte, apenas uma expectativa de vida que fracassou.

-Para mim, eu perdi um filho.

Com isso, a gente percebe que ele realmente não consegue compreender o motivo de eu ter ficado tão triste... Se bem que acho, que para quem perdeu um filho, eu estou até reagindo bem.

Descobri que o coração parou sábado, quarta fiz o procedimento, fiquei triste na quinta e já estou caminhando para ficar normal na sexta... Já consigo dormir e comer. E nem estou chorando mais.

Lógico que ainda preciso aprender a escutar certos comentários desnecessários de pessoas, com essa outra visão a respeito de "quando começa a vida". Porque essas pessoas nunca irão entender o luto por uma vidazinha que nunca cheguei nem a ver o rostinho no monitor.

Nunca irão entender que eu SENTI a vida, tanto que quando a sensação de ter a VIDA sumiu, eu fiquei aflita, eu sabia... Antes do ultrassom me dizer.  

Foi por pouco tempo, mas foi real.

quinta-feira, 12 de novembro de 2015

Quase um ponto final - Parte 4

AVISO: Este post relata especificamente como foi a vivência de fazer um procedimento cirúrgico para um aborto retido desde as 7 semanas, hoje estaria com 9 semanas e 5 dias.é um relato muito forte. Recomendo a NÃO leitura.

Porque estou escrevendo isso? Para ver se consigo aliviar meu coração.

~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~

12.11

Acabei de desobedecer as recomendações médicas.

Estou sentindo muitas cólicas, tomando buscopan duo de seis em seis horas e mesmo assim a dor estava super persistente.

Pedi para Marido ligar para o médico e perguntar se isso era normal. Ele ligou e o médico disse que era normal. SÓ ISSO.

Me recusei a acreditar, nenhuma orientação mais? Nenhum outro remédio mais forte poderia ser tomado? Fui ler a bula do buscopan duo e lá diz que pode ser tomado de quatro em quatro horas, não tive a menor dúvida. Tomei outro comprimido e fui dizer ao Marido sobre a bula.

Marido gritou comigo, me chamou de LOUCA, disse que se eu quisesse ME MATAR que me matasse sozinha. Que ele iria sair. Não iria ficar aqui para ver.

Ok, agora estou mesmo mais do que sozinha, ele saiu para fazer sei lá o que. Vocês sabem que se eu quisesse me matar, muito provavelmente já o teria feito. Só que não entendo porque as pessoas não se importam, estou sentindo dor e não estão nem aí.

Se o remédio pode ser tomado de quatro em quatro horas, porque eu preciso tomar de seis em seis? Se estou sentindo dor e ficar sentindo essa dor piora também o meu lado psicológico... Ficar sentindo dor me faz pensar que pode ter acontecido algo errado...

O engraçado é que o médico tinha dito "vida normal". Como ter vida normal sentindo dor? e sendo ignorada?

Continua...

Quase um ponto final - Parte 3

AVISO: Este post relata especificamente como foi a vivência de fazer um procedimento cirúrgico para um aborto retido desde as 7 semanas, hoje estaria com 9 semanas e 5 dias.é um relato muito forte. Recomendo a NÃO leitura.

Porque estou escrevendo isso? Para ver se consigo aliviar meu coração.

~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~


Vinte minutos que o médico saiu do quarto e nada de trazerem o remédio para dor que eu tanto pedi... 

Peço para marido ir lá no posto de enfermagem novamente ver o que estava acontecendo.
Marido volta e diz que, apesar do médico que ido lá fazer a prescrição, aparentemente elas "esqueceram" de ir pegar os remédios na farmácia ¬¬

Estou super triste, parece que essas enfermeiras estão nem aí que eu estou sentindo dor e que a dor está aumentando.

Mais quinze minutos. Chega aquela mesma mulher que mediu a pressão. Ela traz uma bandejinha...

Ela vai para meu braço esquerdo tentar procurar veia. Reclama da pulseirinha que está atrapalhando.. e simplesmente arranca a pulseirinha fora (acho que ela não devia ter feito isso, essa pulseira existe por alguma razão  e ela simplesmente arrancou. Imagina se faz isso com os recém nascidos? É UM PERIGO. RISCO MUITO GRANDE DE TROCAREM BEBÊS, não acham?)

Ela não consegue achar a veia. Me fura na metade do braço e depois apela para furar nas costas da mão. Consegue finalmente furar. Coloca o acesso e depois pega uma seringa.

"Ele receitou buscopan, é o melhor para dores abdominais". Imediatamente as dores melhoram.

Depois ela liga o fio do soro no acesso. e vai embora.

Cinco minutos depois, estou me sentindo estranha. Relaxada. Fico pensando se buscopan faz isso O.O porque eu nunca tomei buscopan na veia e realmente não sei qual seria o efeito dele. A sensação é muito estranha. É como se os pensamentos que estavam me deixando aflita sumissem e eu estivesse lá praticamente só de corpo presente. Fui comentar com o marido isso... Até eu comecei a sorrir ao explicar a sensação. Era estranho.

Eu comecei a pensar que o remédio estava "batizado" com mais alguma coisa. Depois vi que não foi a seringa que estava "batizada", foi o soro... Tinha algo escrito na embalagem, não era apenas soro...mas não consegui ler direito da cama. Me drogaram sem me avisar? Até que gostei, a mente relaxou. Apesar que não acho isso certo, medicar sem dizer o que é.

Por volta das 12h, vieram com um comprimido oral. também não me disseram o que era, disseram apenas que eu sentiria sono. Pensei "oba, vou dormir e depois que acordar, estará acabado".
As 15h, eu acordo. e pouco depois aparece uma mulher e vem observar como anda o sangramento e tal. Mesmo tendo tomado buscopan na veia, sinto pontadas de cólica no ventre.

VInte minutos depois, chega um rapaz com a maca. Dizendo ele que iria me levar para o centro cirúrgico. Disse logo, que eu não iria para lugar algum. Eu estava acordada. Só sairia daquele quarto dormindo. Percebi o pior erro das enfermeiras, deram o comprimido muito antes do horário e ele passou o efeito.

Fiz escândalo. Não iria sair daquele quarto se tivesse acordada consciente. O maqueiro foi embora, falar com as enfermeiras e se elas conseguiam achar o médico para decidir o que fazer. Marido fica nervoso. Liga para o celular do médico, ele concluiu exatamente o mesmo que eu...

Deram o comprimido muito antes do horário e ele passou o efeito. Agora provavelmente já não poderia tomar ele novamente.

Marido diz que o médico disse que iria falar com o anestesista, porque realmente não poderia voltar a dar outro comprimido e agora o único jeito era a anestesia. Só que a anestesia só é feita lá, no próprio centro cirúrgico, por riscos de complicações.

Não estou nem aí, não saio deste quarto acordada de jeito nenhum! Culpa deles que deram o remédio no horário errado, avisei desde cedo que só sairia do quarto para o centro cirúrgico se fosse inconsciente.

O anestesia aparece no quarto, faz algumas perguntas sobre alergia e tal. Depois fala sobre os riscos da anestesia fora do centro cirúrgico. Que ele não poderia aplicar porque poderia ter alguma reação e não teria formas como reverter estando foram do centro cirúrgico.

Eu repito novamente totalmente em desespero: não irei sair daqui, se não estiver inconsciente.

Ele então diz que vai dar a sedação, mas que não irá aplicar muito, pois os riscos são muito grandes.

Começo a me sentir meio groge, mas ainda estou consciente de tudo. Enfim, me transfiro da cama, para a maca. Ele colocar só um pouco mais do medicamento. Eu fico mais groge ainda e fecho os olhos. Sinto que a maca está se movendo.

Acordo. Estou em algum lugar com várias macas ao lado. Estou me tremendo, com muito frio. Consigo chamar uma enfermeira e peço para ela me cobrir. (Achei estranho, eu que chamei ela... geralmente em cirurgias alguém vem tentar acordar a gente ¬¬ chamando nosso nome... Bem foi isso que fizeram quando fiz a cirurgia de redução de mama com 17 anos. Detalhe que nessa cirurgia, eu me lembro muito bem, já sai do quarto dormindo, após tomar um comprimido. A cirurgia com anestesia geral e tudo ¬¬).

Dez minutos depois, era por volta de 17h/17:30... Enfim volto para o quarto. O maqueiro pergunta se estou sentindo as pernas. Não entendi a pergunta dele O.O imediatamente levantei a perna normal, totalmente normal.  Depois lembrei que possivelmente anestesiaram da cintura para baixo, por isso que ele perguntou isso. Bem, estou de volta a cama.

Me sentindo normal, exceto que queria ir ao banheiro. A enfermeira disse que eu poderia me levantar e ir. Mas eu  estava com a sensação que se me levantasse iria cair no chão. Talvez porque estava sem comer desde 6h da manhã e já era quase 12 horas depois. Foi o dia da aparadeira...e do sangue.
Dizendo marido que eu estava sangrando mais ainda, eu estava sangrando desde que coloquei os comprimidos, mas depois que voltei do procedimento, estava sangrando ainda mais. Dizendo a enfermeira, estava tudo dentro da normalidade.

Marido então me diz, que o médico veio falar com ele depois, disse que tinha dado tudo bem e eu o receituário dos remédios para tomar no pos operatório apenas em caso de dor. Remédio para dor e para gases (AMIU aparentemente dá gases, mas ainda não senti dor, nem de cólica e nem de gás).
Marido também disse, que no meio da cirurgia, o hospital chamou ele e disse que o plano de saúde não tinha autorizado a utilização de uns instrumentos lá, essenciais para o procedimento. Ele falou que era um kit de canolas para AMIU. Ou seja, uma coisa BÁSICA que toda AMIU necessita e o plano não autorizou. Marido mandou autorizar, pagou por fora.

Fiquei revoltada, penso em entrar na justiça contra o plano, parar a cirurgia na metade para pedir autorização de pagamento ao acompanhante...

Ah vou entrar sim! quero o ressarcimento dos 450 reais, afinal, eram instrumentos essenciais para aquele procedimento que já tinha sido até autorizado e tal. Mesmo que o problema tenha sido de marca? talvez? Mesmo assim! Colocou a minha vida em risco por oferecer uma marca ruim que o médico se recusou a usar.

Não estava com fome, mas estava louca para sair daquele lugar. Eu e Marido. Tive que comer algo para ver se a sensação de fraqueza diminuía.

Fui para casa. No trajeto me senti meio "feliz". "Acabou!".

Fui contar a saga para uma prima que é esposa de um médico e ela totalmente me condenou por não ter ido acordada até o centro cirúrgico. Falou que nos partos é tudo acordada e que eu devia ficar preparada porque você ver tudo. Cortando. Puxando.

Perdi a paciência e a sanidade novamente. Cai no choro.
Respondi:
Isso não era um PARTO! Era um ABORTO!!!! Porque você não consegue entender como isso é difícil para mim??? Porque ninguém não consegue entender?!!!!!

Estou abalada novamente. 

Quase um ponto final - Parte 2

AVISO: Este post relata especificamente como foi a vivência de fazer um procedimento cirúrgico para um aborto retido desde as 7 semanas, hoje estaria com 9 semanas e 5 dias.é um relato muito forte. Recomendo a NÃO leitura.

Porque estou escrevendo isso? Para ver se consigo aliviar meu coração.

~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~

Peço para marido fazer as perguntas que eu deixei anotadas num papel, marido disse que achava melhor ele fazer as perguntas, já que dizendo ele, eu não estava no meu normal e poderia fazer a abordagem agressivamente.

Como tudo foi definido de um dia para o outro, não deu muito tempo de conseguir falar com ele, descobrir exatamente como seria e fazer perguntas...Ontem fiquei a manhã inteira lá no plano de saúde para autorizar tudo. Detalhe é que como o médico é particular, tem os honorários dele, para arcar por fora. 2mil.

Descobri também que preciso trabalhar "habilidades sociais", juro, não tive coragem de pegar o telefone e simplesmente ligar para ele. A idéia de fazer isso me causou angustia e não consegui enfrentar isso e conseguir ligar. =(

-Contato para emergência, já que irá viajar durante o pós operatório.

Ele disse para ligar para o celular dele, que as chamadas seriam direcionadas para um colega que está responsável pelas pacientes dele, durante sua viagem.

-Onde ir em caso de emergência?

Ele não disse, mas como ele falou que teríamos a quem ligar, talvez esse alguém indicasse onde ir.

-Quanto tempo depois do procedimento  faremos um novo ultrassom?

Não faremos ultrassom mais. O.O
Dizendo ele que não precisa de nada disso. Basta o sangramento acabar e chegar o próximo ciclo. Como assim? Não farei mais ultrassom? Mas sempre vejo no google o povo fazendo ultrassom para saber se o útero está limpinho...

-Quanto tempo poderá durar o sangramento após tudo?

Pode haver sangramento até 15 dias após a AMIU. Os primeiros dias deverão ter fluxo mais intenso que irá diminuindo com o passar dos dias.

- Que sintomas para ficar observando durante o pós operatório? 

Cólicas.

- A partir de quando pode fazer Natação, sem ter risco de alguma infecção?

Segunda feira eu já poderia voltar. Amanhã se quisesse já poderia voltar a vida normal.

- Fazer repouso de qual tipo? relativo ou absoluto?

Não preciso fazer repouso algum. Vida normal. Se quisesse, ele daria um atestado para que eu não fosse trabalhar. Mas que poderia ter vida normal, sair, ir ao shopping e etc...

- A partir de quando pode ter relações sexuais?

Após parar o sangramento.

- As relações precisam ter proteção?

Sim

- O que aconteceria se eu não me protegesse?

Uma possível gravidez... (Nessa hora parecia que a pergunta tinha sido muito idiota pelo modo como ele respondeu)

-Mas quais seriam os riscos se isso acontecer? Mais probabilidade de aborto?

Não, você teria as mesmas probabilidades de uma pessoa que engravida normalmente sem ter tido aborto.

- Mas eu pensei que a recomendação que esperasse pelo menos um ciclo menstrual seria ao fato do útero ficar fino por causa do procedimento e precisar se recuperar...

Não, não precisa disso, os danos causados pelo procedimento são mínimos.A recomendação é para constatarmos o retorno da ovulação...Porque dificilmente, nesse tempo antes da menstruação retornar, você ovularia. As chances são mínimas.

- Mas não tem risco de infecção, nem nada?

Não.

- Irei tomar algum antibiótico apos o procedimento? E durante o pós operatório?

Pouco antes do procedimento, lá no centro cirúrgico, ministramos antibiótico.Depois disso, não precisa tomar mais antibiótico nenhum.

- Qual remédio para dor posso tomar no pós operatório?

Irei fazer um receituário para você levar. Daqui quinze dias, fazemos um retorno e eu encaminho você para o especialista.

-Você vai encaminhar?

Sim, você não estava querendo ir? (Fiquei surpresa por ele tocar nesse assunto, que tinha comentado com ele antes...).
Respondo, timidamente: estava sim.

- Quais são os possíveis riscos do procedimento?

Eu poderia falar que os riscos são isso, isso e isso. e que eles são baixos... Mas para quê vamos focar nesse lado negativo?

Respondo chorando, eu estou tentando não focar no lado negativo, que estou indo até para uma psicóloga, mas eu não estou conseguindo evitar não pensar nisso...

Ele segura a minha mão tentando me tranqüilizar. E diz que vai me colocar no soro e dar um remédio para a dor.

Continua...

LINK - PARTE 1
LINK - PARTE 3
LINK - PARTE 4

Quase um ponto final - Parte 1

AVISO: Este post relata especificamente como foi a vivência de fazer um procedimento cirúrgico para um aborto retido desde as 7 semanas, hoje estaria com 9 semanas e 5 dias.é um relato muito forte. Recomendo a NÃO leitura.

Porque estou escrevendo isso? Para ver se consigo aliviar meu coração.

~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~

Acordei. Ou talvez nem pode se dizer que dormi. Fui dormir a meia noite e as 2h da manhã minha mente ligada nos 220w. Não voltei a dormir.

Precisaria iniciar o jejum as 6:30, resolvi parar de comer e beber água as 6h, só para garantir que todos medicamentos que tomassem fizessem efeito o mais rápido possível.

As 7h, eu teria que estar começando a tomar medicações. Seria uma enfermeira introduzindo comprimidos por via vaginal.

O céu estava muito nublado. Parecia que estava tentando ser solidário a mim. Tentando mostrar que também estava muito triste... Cheguei ao hospital as 6:30. Só consegui me internar as 7:40. Sim, tinha começado muito mal. Sentada na cadeira da recepção, vendo mulheres grávidas chegarem depois de mim e sendo atendidas antes... O choro estava super fácil, mas eu tentava me controlar respirando fundo, não queria fazer cena. Tudo demoraria mais tempo para acabar.

Consegui ser internada. Primeiro só me levaram ao quarto. Depois apareceu outra pessoa, dizendo que eu tinha que trocar de roupa e tirar tudo, até meus óculos.

Gente, arregalei os olhos na mesma hora. Porque tirar os óculos agora, se o procedimento cirurgia seria só a tarde? A mulher percebeu a confusão na minha cara e explicou que era só para tirar antes da cirurgia mesmo, por enquanto podia ficar com eles. Depois perguntou se eu tinha alguma dúvida. E eu disse: sim, pode me explicar tudo que vai acontecer? Não me explicaram direito nada.
Ela perguntou se eu já tinha usado os comprimidos antes...

"Não, foi a minha primeira gravidez e meu primeiro aborto." agora eu vejo que não deveria ter dito assim, porque falar "primeiro aborto"? Não haverão mais, se Deus quiser.

Depois eu perguntei sobre a sedação/anestesia, sei lá como chamam aquilo que usam para nos fazer dormir.

Ela disse que essa parte só é feito lá dentro do centro cirúrgico.

Na mesma hora, eu disse talvez até sendo agressiva demais: "Não saio deste quarto sem estar dormindo de jeito nenhum".

Ela responde: Não podemos fazer isso, não tem nada prescrito. Só falando com o médico.
"Então liguem para ele, porque eu não saio deste quarto sem estar dormindo nem amarrada."
 Ela percebeu que não tinham me entregue nenhuma bata para que eu trocasse de roupa... e saiu do quarto.

Marido queria que eu deitasse logo na cama, mas eu disse que ficaria sentada na cadeira, por enquanto. Afinal ainda teria que trocar de roupa e tal. Sentei na cadeira e desabei. Chorei Chorei Chorei. Porque parece que ninguém entende como isto é difícil para mim? Também tinha o fato de já estar sentindo cólicas e nem sequer ter começado nada ainda.

Eram 8:30 quando finalmente me trouxeram uma bata para que pudesse trocar de roupa. Troquei de roupa, logo uma enfermeira aparece, percebo que ela ficou meio perturbada ao ver meu rosto coberto de lágrimas.

Ela mediu a minha pressão. Geralmente costuma ser 12/8 e lá estava 10/6. Saiu do quarto.

Marido foi ao posto de enfermagem, tentar saber porque estavam demorando tanto para iniciar a medicação. Dizendo ele, que o motivo era pura burocracia. No receituário o médico deveria ter escrito: "sicrana deverá tomar medicamento tal as 7h" e ele tinha escrito: " as 7h, ministrar medicamento tal" ¬¬ Conseguem acreditar nisso???

As 9:00, apareceram mais duas mulheres. Desta vez com a bandejinha com os comprimidos. Bem, agora definitivamente não teria mais volta.

Foi doloroso, não sabia que este comprimidos teriam que ser inseridos tão fundo, eram via vaginal...Não sabia nem que eu tinha essa profundidade toda. A sensação depois de inserido era de "calor", tudo estava queimando por dentro.

a mulher diz: " daqui a pouco você começará a sangrar e terá cólicas. Se for muito sangramento ou muitas cólicas, avise."

Digo: Já estou sentindo cólicas agora, quero um remédio.

"Inserimos o remédio agora, ainda irá aparecer as cólicas mais fortes.

"Exatamente. Eu já estou sentindo dor agora, quero remédios."

"Não podemos dá nada, pois o médico não prescreveu nada para dor."

"Mas eu estou sentindo dor, quero tomar alguma coisa...entrem em contato com o médico. Preciso tomar alguma coisa para dor."

Elas vão embora.

Marido tenta ligar para o médico. Chama, chama e nada. Depois médico manda zap: em que quarto estão? Estou descendo"

Deduzimos que talvez então ele já estivesse no hospital, talvez em alguma cirurgia?

Falta luz. Não tem ar condicionado. Não tem tv. Não tem wifi. Passa-se meia hora. Nem médico e nem remédio. A cólica aparentemente está aumentando. O meu choro fica engasgado. Peço para marido ir la no posto de enfermagem aperrear novamente por algum remédio. A energia volta.

Dez minutos depois, o médico aparece. De imediato digo que estou sentindo dor. Que já estava sentindo antes mesmo de colocar os comprimidos. Ele diz que vai dar alguma coisa para dor. Eu falo também sobre sair do quarto dormindo, não quero ver nada, não quero nem ver o trajeto para o centro cirúrgico. Aparentemente ele entende essa minha preocupação e diz que não pode me dar anestesia no quarto, que o anestesista precisava falar comigo agora, mas que daria algum comprimido que me deixaria muito groge, mas não estaria dormindo totalmente...

terça-feira, 10 de novembro de 2015

Deus costuma cumprir a parte dele...

A gente diz que a vida de tentante é difícil, a gente não sabe de nada.

Difícil é descobrir que não temos controle sobre absolutamente nada. Que nesse negócio de vida e morte, ninguém, absolutamente ninguém, tem algum controle. A gente pensa que os médicos tem. Os médicos tentam. Mas é apenas uma tentativa... Sabe quem tem controle? 

Deus.

Acho que isso tudo já estava nos planos dele, ele já sabia que seria difícil e que eu precisaria de ajuda para superar. Em Setembro, ele segurou a minha mão e me guiou para começar a fazer terapia. Acho que ele já estava cuidando de mim.

Como explicar eu conseguir passar por tudo isso?

Porque a vontade que dá é de dormir e não acordar. Ou de, pelo menos, ficar dopada sempre, de algum modo em que não se possa sentir nada.

Só que há alguns anos, eu fiz um contrato com Deus. Eu seguiria firme, até o dia em que ele resolvesse que era a hora de me levar. Em troca, ele me mostraria a vida e me ajudaria a viver.

Sim, eu já tive bastante momentos ruins. Mas também já tive muitos momentos bons, muito muito bons. Se eu tivesse desistido talvez nunca tivesse visto a vida como ela é, em sua plenitude.

Acho que essa perda também faz parte da minha "experiência de vida", faz parte do pacote. Eu tenho que aceitar. É a minha parte do contrato.

Deus costuma cumprir a parte dele...

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

O aperto no coração

Passei o final de semana refletindo e não consegui tomar decisão nenhuma sozinha.

Consegui um horário com a psicóloga e depois de conversar, pesar os prós e contras de cada opção, me decidi por fazer o procedimento cirúrgico.

Ela me falou de algumas perspectivas que eu não via. Perspectivas novas que me fizeram de certo modo conseguir tomar a decisão.

Sob certa perspectiva, eu irei apenas induzir uma menstruação. O que é uma menstruação? É a descamação da parede do útero. O procedimento é exatamente para descamar a parede do útero... a diferença é que essa descamação irá acontecer em um dia marcado.

Porque eu preciso ficar aguardando até três semanas pela "menstruação", com o risco de ter alguma infecção, com o risco de não acontecer naturalmente e ter que apelar mesmo assim para o procedimento cirúrgico?

Acho que posso me poupar dessa espera, porque ficar me torturando? Eu não tenho mais sanidade mental, eu lutei o quanto deu. Fiquei em repouso desde o dia que descobri a gravidez até o dia que detectaram que não havia mais batimentos cardíacos. Lutei enquanto meu guerreirinho precisou de mim, ele cumpriu a sua missão e se despediu. Ele foi forte, se desenvolveu e bateu o coração para mim. Eu pedi e ele escutou... Ele se despediu dois dias depois. Resistiu o quanto pôde, o tempo necessário para mostrar que tinha me escutado, mostrou sua persistência por mim. Por ele, eu serei forte, irei virar essa página e mostrar a minha persistência também.

Sob certa perspectiva, quanto mais rápido eu encerrar esse negocio de descamação, mais rápido eu poderei voltar a tentar.

Liguei para o obstetra e está agendado para quarta. Até aí tudo bem. O problema foi quando soube o local. O hospital maternidade em que eu nasci e onde pretendia ter meu parto. Sabe, foi como se meu coração tivesse parado de bater por alguns instantes e realmente deu muuuuita vontade de desistir.

Ir logo para lá?

Depois eu tentei pensar que seria apenas um teste drive da maternidade. Não é todo mundo que tem a oportunidade de testar o hospital maternidade antes, né? Se vou fazer um procedimento cirúrgico, porque não aproveitar e testar como é lá?

Será que a acústica de lá é boa? Será que escutarei o choro dos bebês? Não seria tanta novidade assim, eu escuto todo dia. Alguém (não sei se vizinho de cima ou de baixo) tem um bebê recém nascido que chora todos os dias. Acho engraçado que Marido nunca tinha prestado atenção nisso até eu falar. Acho que meu ouvido já está treinado para detectar choro de criança a distância. =P

O obstetra informou que irá viajar quarta a noite (ou era quinta?) e só irá retornar na próxima semana. Mas eu, com certeza, irei pedir o contato de alguém para caso de alguma emergência. Sendo bem dramática, na pior das hipóteses, eu posso ter hemorragia, não ter socorro a tempo e morrer. Vou tentar não pensar nisso, afinal o ruim da morte é para os que ficam.

Vai ser melhor, irá terminar tudo isso mais rápido. Só um dia na cama do hospital aguardando. Eu já passei tantos dias presa na cama de casa aguardando... O que seria só mais um dia?

Talvez não seja tão ruim, talvez passe rápido, talvez eu consiga dormir por lá e acorde só para tomar a anestesia e voltar a dormir.

sábado, 7 de novembro de 2015

Guerreirinho se despediu

Bem, sabe aquela frase "mãe sabe...". Poiseh, vocês já tinham super percebido como eu estava aflita. Eu tinha um pressentimento ruim. Do mesmo modo que antes eu tinha um pressentimento forte que era um menino e que ele estava vivo... Depois o pressentimento mudou, agora era que havia algo errado. Eu não sentia mais a presença da "energia" do guerreirinho. Tinha essa sensação estranha. Super estranha. Não dá para explicar. Tentei ignorar ao máximo, que era só coisa da minha cabeça. Mas, pelo visto, não era.

Guerreirinho se despediu dois dias após aquele último ultrassom, do dia 21.

Ainda estou avaliando se espero meu corpo fazer seu trabalho (o médico disse que pode levar até três semanas) ou se encurto a espera e faço logo a cirurgia.

Estou triste, mas é como se realmente já soubesse... A vida dele foi curta, mas ele foi muito amado por todas as batalhas que enfrentou, batendo o coraçãozinho quando já tinham dado como certo o aborto. Ele me deu energia para continuar acreditando.

Obrigada pelo apoio e força que todas me deram durante essa longa espera.

Continuamos esperando o sinal verde de Deus.

Algum dia chegará o tempo certo.

sexta-feira, 6 de novembro de 2015

Ainda...

Como ainda estou nessa interminável espera que parece que só se prolonga e prolonga e prolonga... Parece que esse negócio de "aguardar" me persegue. ¬¬

Não tenho muita certeza, pois ainda vou fazer a ecografia para confirmar, mas, hoje, teoricamente completa nove semanas. Se estivéssemos considerando a DUM (data da última menstruação) seriam dez semanas.

Houve essa diferença entre datas e a causa foi de uma possível ovulação tardia. Não me surpreende se tiver ocorrido isso, afinal tive alguns ciclos longos este ano que também seriam indicativo de ovulação tardia...

Lógico que apesar da explicação plausível bate aquela insegurança. Porque vai que não é ovulação tardia e a causa é que o embrião não está se desenvolvendo no ritmo que deveria... Só a ecografia para tirar esta angustia.

Não tenho tantos sintomas de gravidez. Não enjôo. Não tenho tontura. Ultimamente nem me sinto mais empachada como me sentia antes. A sensação de "peso" nos seios também diminuiu. As freqüentes idas aos banheiro continuam.

Acho que as minhas reações estão mesmo mais exageradas. Talvez por conta dos hormônios da gravidez, talvez por causa da progesterona que tomo duas vezes ao dia... Mas, lógico, que alguém me falando isso me irrita ainda mais ¬¬ Porque é como se tivesse "menosprezando" o que estou sentindo. Apesar de ser exagerado, eu estou sentindo mesmo. Então posso dizer com certeza que é um sentimento total de "incompreensão". Estava louca para fazer logo a ecografia e saber se o hematoma diminuiu ou sumiu e para ver se o embriãozinho estava bem. Essa necessidade de saber isso logo é urgente. As grávidas irão compreender, os futuros papais talvez não. 

Acho que qualquer coisa que marido tivesse dito, iria me irritar. Talvez até se ele estivesse por perto e ficado calado, iria me irritar... Eu estava super chateada, contrariada. Tanta raiva que bate aquele desespero e você só consegue chorar. =/ 

Tipo cutucar a onça com vara curta... Maridos de grávidas são heróis =P 

Eu amo o meu apesar dele me fazer tanta raiva as vezes. ¬¬

quinta-feira, 5 de novembro de 2015

Exame adiado

Hoje de manhã recebi uma ligação da clinica informando que o médico não poderia me atender hoje, remarcaram o exame para sábado.

Podem imaginar como fiquei P da vida com isso, né?

Eu tento pensar que deve ter tido alguém que estava precisando do médico muito mais do que eu, com alguma emergência...Afinal é um "obstetra de alto risco", né?

Estou mais decepcionada ainda com meu marido por não conseguir compreender a minha chateação. Ele acha que a minha reação está sendo totalmente exagerada e que eu devia controlar a minha ansiedade, "são só dois dias".

Por mim, eu iria hoje fazer um exame em qualquer lugar, só para saber como está tudo. e no sábado repetiria lá na clinica. Mas estou de repouso e não posso dirigir. Teria que ir de táxi. Já que marido super acha que é exagero meu e não quer me levar.

Estou me sentido tão só e incompreendida.

Queria ter forças para enfrentar tudo isso, sair para fazer o exame, sozinha mesmo. Mas me sinto tão triste.

Não consigo parar de chorar, queria pelo menos poder voltar a terapia...

Depois marido veio perguntando onde que eu queria ir fazer exame, que ele iria me levar, já que eu queria tanto... Que ele achava que eu ficar assim "era capaz deu perder o menino dele".

Mas agora já não quero mais ir, ele acha que é só frescura minha. Ele não entende.

quarta-feira, 4 de novembro de 2015

Ansiedade a mil

Nossa. Ecografia chegando

O.O

E a ansiedade? A mil!

Será que está tudo bem?

Ao mesmo tempo, deu uma vontade de começar a olhar coisinhas de bebê... Não sei se devia olhar essas coisas, afinal estou tão insegura.

Masssss não resisti. Dei uma olhadinha no google buscando mais informações sobre o enxoval e quantidades de roupinhas e afins. E também procurando indicações de onde encontrar roupa de gestante por aqui, em Fortaleza.

Gente, juro... Acho que engordei demais nessas últimas semanas. Eu já tinha uma barriguinha natural de gordinha né, mas, agora, pense numa barriga que duplicou. O.O Estou super inchada. Um bebê do tamanho de um feijãozinho não pode estar tomando tanto espaço assim...

Vou tentar melhorar mais a alimentação e ver se ajuda um pouco. Porque, sério, acho que passa fácil por uma gravidez de 5/6 meses... Minhas roupas que antes estavam folgadas agora estão ficando super acochadas. Minha nossa.

Se me liberarem do repouso, não sei nem por onde começar. Tanta coisa que gostaria de fazer. Queria ir no salão fazer as unhas *.* Procurar uma nutricionista materno-infantil. Ir numa dermatologista. Comprar roupas. Ir a praia...

Só que eu também tenho que ir aos poucos, tenho que mentalizar que não posso querer tirar o atraso de uma vez só. Porque não dá para ter o mesmo pique de antes de engravidar, ainda mais com um começo de gravidez tão caótico como o meu.

aiaiai e amanhã é o exame...

Não sei ainda quem fará o exame, se será o próprio obstetra ou uma ultrassonografista lá da clinica. Saí daquela consulta de duas semanas atrás tão desnorteada... Marquei o dia do exame, mas não gravei muitas informações a respeito não. Bem, amanhã veremos como vai ser.

terça-feira, 3 de novembro de 2015

Daqui dois dias...

Ta chegando! Ta chegando!

Hoje tem um turbilhão de pensamentos na minha cabeça, alternando entre pensamentos bons e ruins.

Penso se o hematoma sumiu... ou se ainda estará lá e terei que continuar de repouso.

Penso se o guerreirinho está se desenvolvendo no ritmo correto, dizem que esta é uma das semanas cruciais no desenvolvimento de certos órgãos.

Penso que devia ficar muito feliz por ter a sorte de não passar mal, enjoada. Mas confesso que o fato de não enjoar de jeito algum me deixa é mais preocupada do que felizarda. Será que tudo está bem mesmo?

Penso na possibilidade de ser liberada do repouso e enfim poder sair de casa um pouco... Vontade enorme de pegar um solzinho depois de tantos dias trancada na sombra. Vontade de sentar em qualquer lugar só para ficar olhando o movimento, ver gente...

Penso que verei novamente aquelas ondulaçõeszinhas das batidas do coração do meu guerreirinho, será que estará acelerado? A quanto estará batendo seu coração dessa vez?

Penso se conseguirei enxergar alguma coisa além de um grande borrão, será que já dará para ver alguma coisa mais familiar?

O que será que será?