quinta-feira, 28 de março de 2019

O que descobri quando meu arco-íris chegou

Achei essa postagem no grupo do facebook: SobreViver: Apoio à Perda Gestacional ou do Recém-Nascido, que conta mais ou menos qual é a sensação que sinto em relação a essa gravidez e a perda do guerreirinho.

~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~

O que descobri quando meu arco-íris chegou


Autoria: Taiane Solin - mãe da Ana, que partiu em 2013, e do Lorenzo, que tem 1 ano e meio



Imagem: Mulher grávida segurando arco-íris nas mãos, UA-pro / Shutterstock

Há 3 anos eu carregava uma dor imensa no peito. Uma saudade que tinha nome, sobrenome, algumas toalhas bordadas, mas que o cheiro, o rosto e a voz só existiam nos meus sonhos. Como minha menina foi esperada. Desde muito antes de engravidar, ainda na adolescência eu já sabia: Eu vou ter uma menina, que vai se chamar Ana Luiza. Quantas e quantas noites eu acordei de madrugada após sonhar com ela. Sonhos tão reais que seriam para sempre só sonhos. A Ana Luiza partiu com mais ou menos 15 semanas por um aborto mega traumático, com requintes de abandono, e violências obstétricas que me fazem suar frio só de me lembrar, mas que, independentemente de como o processo todo da perda se deu, ela foi embora e deixou no meu peito um vazio enorme, recheado com saudade dos sonhos que nunca vivemos, sentimento de injustiça e revolta.

Desde que a perdi escutei sistematicamente e de várias pessoas que, quando eu tivesse outro filho, eu esqueceria tudo o que me aconteceu. Em 2016, com faculdade concluída, num relacionamento muito bacana com um cara que acolheu a memória da minha filha como se fosse filha dele, eu já não aguentava mais carregar o pesado “colo vazio” e resolvi seguir o conselho das pessoas e “engravidar de uma vez”.

Para nossa surpresa tudo foi muito rápido. Enquanto com a Ana foram quase um ano de tentativas, na segunda gravidez foi no terceiro mês.

Mas, já de cara, percebi que as coisas não seriam tão fáceis. Junto com a alegria da notícia, me veio um sentimento que foi persistente por toda a gestação: o pânico. Todos os dias eu acordava em dúvida se meu bebê estava vivo, se estava bem e se assim permaneceria até o final do dia. Ao me deitar na cama, pensava que dormindo os medos desapareceriam, mas ele voltava em forma de sonhos e eu tive incontáveis pesadelos perdendo a nova gestação. Acordava aos prantos, com uma angústia sem fim.

Para me distrair, me cerquei de amigos e de familiares que não compartilhavam dos meus medos. Achava que, assim, eu não ficaria pensando nos riscos, e não alimentaria minha angústia. No entanto eu sabia e sentia que, por mais que eles quisessem me animar e me deixar bem, eles jamais entenderiam o que eu estava sentindo. E o fato deles minimizarem este sentimento, ou tentarem racionalizar meus medos, me deixava sentindo-me solitária e louca. De alguns até ouvi que meu filho precisava que eu pensasse positivo e fizesse tudo certo para que ele chegasse bem, mas qual garantia eu teria ao fazer isso que tudo daria certo? Enquanto eu esperava a Ana eu fiz tudo certo e jamais pensei que poderia perdê-la, e ela se foi.

A gestação pós-perda nos traz bem rente à pele um sentimento que já era conhecido ao perdermos nossos bebês. Por mais que tenhamos cuidado, façamos o nosso melhor e tomemos as melhores decisões, a realidade é categórica: Não possuímos o controle de absolutamente nada. A vulnerabilidade e o medo não são sentimentos facilmente maleáveis. Senti na pele o quanto a gestação do arco-íris foi muito mais difícil do que eu jamais imaginei.

Tive, então, a oportunidade de ter como companhia valiosa, no meu processo de gravidez pós-perda, outras mães de colo vazio do Sobreviver, além de acompanhamento psicológico ostensivo e um companheiro que diante do meu sentimento de vulnerabilidade dizia sempre: “Não importa o que aconteça, eu vou estar do seu lado.” Incrível como o fato de não estar sozinho torna nossa realidade mais leve.

Eram tantos sentimentos que me invadiam dia-a-dia, e tão difíceis de lidar. Uma hora era o medo de fazer enxoval e o bebê não chegar e eu precisar, de novo, me desfazer de tudo com meu peito sangrando. Outra, a sensação de estar traindo a memória da minha filha “colocando outro bebê no lugar dela”. Minutos depois a paranoia de medir pressão, glicemia, peso, ficar atenta se o bebê se mexe, se a calcinha está seca, se o corrimento está normal. Lembro-me que passei 9 meses tendo dores de cabeça diárias, mas sem contar para ninguém por medo que me dessem um remédio e ele fizesse mal para o bebê. E tudo isso intercalado por uma culpa enorme por não me sentir amando meu arco-íris, também tão querido e esperado, o suficiente. Eu não entendia que todo este meu medo era zelo por ele. Medo que ele fosse embora, de no final não o ter aqui comigo. O desejo de tê-lo em meus braços era tão grande que eu achava que morreria se ele não chegasse. Que sentimento poderia ser este senão o amor de mãe? E só eu sei quantas lágrimas foram vertidas até que eu pudesse perceber que minha realidade materna EM NADA se assemelharia à realidade das mulheres que nunca perderam seus filhos antes. E como poderia ser diferente, não é mesmo?

Apenas com 27 semanas, uma ficha caiu: as chances do meu bebê nascer agora e sobreviver são maiores do que os riscos dele nascer e morrer. Daí em diante, meus pesadelos começaram a diminuir e eu conseguia falar o nome do meu arco-íris de coração aberto. O Lorenzo estava chegando e, para mim, a cada dia ficava mais claro: ele vinha para tornar a nossa família, uma família com dois filhos. A primeira era e sempre vai ser a minha Ana, o segundo, meu Lorenzo que foi agraciado por um mero capricho do destino de nascer de 38 semanas, num parto dificílimo, de urgência, repleto de crises de pânico, onde eu oscilava a fé no futuro e a certeza de que ele morreria também.

E com meu filho no colo, os fiscais dos lutos alheios erraram de novo. Não só não esqueci da minha menina, como talvez nunca tenha pensado tanto nela como nos primeiros dias do pós-parto.

Ao pegar meu filho no colo me sentia roubada. Imaginava como teria sido pegar minha menina no colo, abraçar, beijar, amamentar. Meu Deus, como o Lorenzo era amado! Que benção era ter ele ali! E que pena que Ana não pôde conhecer o irmãozinho.

Nessa dualidade de sentimentos, mesmo com toda a terapia, rede de apoio médico, familiar, doula, fui reinvadida pela depressão. E ainda assim ajustamos a rotina, redividimos tarefas, voltei antes ao mercado de trabalho e fomos nos reconstruindo. Hoje, já é possível falar e compartilhar as minhas vivências com a perda e com meu arco-íris com a certeza de que não sou fraca por tudo o que senti, passei e vivi. Mas tudo isso contribuiu para que eu mesma me visse como mãe de dois filhos, mesmo que um deles não esteja presente.

A chegada do meu arco-íris mostrou-me que a Ana jamais voltaria. Além disso, que ninguém ocuparia o lugar dela. Pegar o Lorenzo no colo me esfregou na cara que a vida não parou enquanto eu chorava a falta da minha menina e que ela continuava. Que precisava continuar, mesmo que ela não fosse do jeito que eu queria, ou precisasse. E como doeu esse despertar de consciência.

A maternidade pós-perda nada tem da alegria, felicidade e inocência da gravidez anterior. O vínculo é construído dia após dia, semana após semana. Ela traz consigo a resiliência de compreender que para ver o arco-íris é preciso da chuva, mas não muda nosso desejo de que a chuva, no caso a perda dos nossos bebês, nunca tivesse ocorrido. Ela é uma bonita e dolorosa mistura do “que bom que desta vez meu bebê chegou bem” com ” como seria se meu outro filho estivesse aqui?”. Mistura esta que, no final, o bolo que me disseram que viria – um bolo cor de rosa, repleto apenas de alegrias, sem medo e que me fizesse esquecer de todas as dores que vieram antes – nunca chegou, e hoje tenho certeza de que nem vai chegar. Mas ainda assim, é uma alegria imensa poder chegar em casa, olhar para meu arco-íris e dizer: Que bom que você chegou. E ainda assim, que pena que sua irmã não está aqui.

Retirado de: https://www.gruposobreviver.com.br/depoimentos/bebe-arco-iris/o-que-descobri-quando-meu-arco-iris-chegou/

~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~


Foi uma gravidez bem diferente do que sempre imaginei que algum dia teria. 

Eu estava feliz, mas também triste. Eu estava confiante, mas também assustada. Eu estava tranquila, mas também inquieta. Eu tinha esperança, mas também era pessimista...

Imaginei que quando ficasse grávida teria muita vontade de espalhar ao sete ventos a notícia. Não, não tive vontade de contar a ninguém. Imaginei que quando ficasse grávida faria chá para festejar. Não, não tive vontade de festejar com ninguém. Imaginei que faria mil e um planos. Não, não fiz planos nenhum, ia vivendo um dia de cada vez. Também cheguei a ter esse mesmo pensamento da moça da postagem "as chances do meu bebê nascer agora e sobreviver são maiores do que os riscos dele nascer e morrer". Mas, para mim, esse pensamento só veio as 34 semanas... tamanho era meu temor. 

Viajei para fazer enxoval, sei que é difícil de acreditar, mas eu não estava animada. Fui para me distrair, viajar. Comprei as coisas de bebê, mas foi tudo no automático.. com uma caneta e uma lista em mãos. Não houve aqueles momentos de suspiros escolhendo roupinhas e achando as coisas fofas. Não estava raciocinando direito. Tanto que cheguei de viagem e percebi que tinha deixado de comprar muita coisa essencial. Com 35 semanas fui montar a mala de maternidade e percebi que não tinha roupinhas com manga longa e pernas compridas para levar. Simplesmente não tinha... Não comprei nenhuma RN e nem P. Só havia comprado a saída de maternidade. Tive que correr atrás dessas roupinhas meio as pressas.

Não tinha vontade de ficar pensando sobre a gravidez, por isso as postagens se tornaram mais sucintas apenas descrevendo consultas e exames. Perdão, mas não conseguia pensar muito. Talvez de fato melhor fosse não pensar muito. Apenas ir vivendo.



~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~o~~~~

sábado, 23 de março de 2019

Teste psicológico: adivinhe qual destes 4 bebês é uma menina


Adivinhar o sexo de um bebê apenas olhando para o seu rosto pode ser complicado. Os cientistas sugerem que os adultos, e até mesmo os neonatologistas e pediatras, obtêm a resposta correta apenas em 60% do tempo. Você acha que pode fazer melhor que eles?

Bochechas rechonchudas #1



. Se escolheu o bebê #1, você pode ser caracterizada como uma pessoa sensata que acredita em princípios e tende a agir de acordo com as regras existentes. Primeiro analisa e depois toma suas decisões. Sempre tentando ao máximo encontrar a única solução correta para o problema e não prejudicar os sentimentos dos outros ao mesmo tempo. Prefere sempre evitar conflitos e, muitas vezes, coloca os interesses de outras pessoas antes dos seus, embora, às vezes, elas não mereçam seu tempo e esforço. Sempre tenta ser imparcial e recorrer aos seus princípios.
Já está na hora de parar de se preocupar tanto com os outros e se concentrar em si mesmo e no que acontece em sua vida. Não adie a felicidade, seja feliz hoje.

Abraço de coelhinho #2



2. Se escolheu o bebê 2, uau, você é um pensador bastante criativo! Cheio de ideias inovadoras que sempre lhe ajudam a criar coisas incríveis. Gosta de ser ativo e aceitar novos desafios, e nunca perde a oportunidade de aprender algo novo. Quase nunca teme as mudanças, porque acha que tudo vai ficar bem. Está vivendo todos os dias da sua vida como se fossem o último, mas parece que está agindo em uma bolha. Muitas pessoas gostariam de ser suas amigas, mas você nunca deixa que elas se aproximem. Sim, sempre há pessoas que querem estar com você por motivos egoístas, mas é melhor não ignorar aqueles que realmente gostariam de conhecê-lo melhor. Apenas dê uma chance a eles. Logo você entenderá se precisa dessa pessoa em particular em sua vida ou não.



E, parabéns! Esse bebê é realmente uma menina!

Pequena fofura #3


3. Se você acha que é o bebê #3, é muito provável que seja uma pessoa muito sociável. Seu carisma lhe ajuda a se dar bem com qualquer um, mas acha que o verdadeiro tesouro é o tempo gasto com seus amigos. É louco pelas aventuras e sua adrenalina. Às vezes, age impulsivamente, mas isso é apenas por acreditar que o maior risco é não correr nenhum. Embora isso possa ser verdade, e nossa vida possa estar cheia de perigos. Da próxima vez que se apressar em tomar algumas decisões, pense sobre as consequências que isso pode ter para você.
Lembre-se de que está cercado por muitas pessoas maravilhosas, e algumas delas não apenas o apreciam, mas também amam você de todo o coração. Então, da próxima vez que tomar uma de suas decisões impulsivas, tenha em mente que pode ferir alguém que realmente se importa com você.

Carinha de anjo #4


4. O bebê # 4 diz muito sobre sua personalidade. Mesmo que tenha um grande coração, você também tem um grande ego. Acha que está sempre certo sobre tudo e que há um caminho para resolver a situação e, se não, uma maneira incorreta de fazer as coisas. Você é forte e pode se adaptar facilmente às novas circunstâncias que o cercam, e é por isso que geralmente desempenha o papel principal. O bom é que tem muitas ideias criativas e inovadoras, portanto, sempre que for um líder de um grupo, lembre-se de levar em conta as opiniões dos outros. Pode ser que a sua opinião não seja sempre a melhor.
Se você quer manter pessoas agradáveis em sua vida, deve aprender a ser um bom ouvinte. As pessoas ao seu redor também querem se sentir valiosas e apreciadas. Além disso, sua capacidade de reconhecer os esforços de outras pessoas pode transformá-lo em um capitão muito melhor.
Por favor, compartilhe com a gente nos comentários se você conseguiu diferenciar esses bebês e adivinhar seus gêneros corretamente.
Retirado de: https://incrivel.club/inspiracao-psicologia/teste-psicologico-adivinhe-qual-destes-4-bebes-e-uma-menina-549660/

14 Mães famosas mostram que entraram em forma após a maternidade

https://incrivel.club/inspiracao-dicas/14-maes-famosas-mostram-que-a-maternidade-nao-deixa-a-mulher-feia-546660/

quinta-feira, 24 de janeiro de 2019

Festinhas infantil

Ontem vi uma postagem sobre um tema que amei, “Por que eu não me sinto culpada por não fazer festas de aniversario extravagantes para meus filhos”. O link é http://familia.com.br/economia/por-que-eu-nao-me-sinto-culpada-por-nao-fazer-festas-de-aniversario-extravagantes-para-meus-filhos

Ela conseguiu resumir tudo o que eu penso sobre festas de aniversário infantil. Apenas acho que ultimamente esqueceram o real sentido da festa de aniversário.  Para mim, festa de aniversário infantil é uma data em que a criança “quer se sentir importante e se divertir” simples assim.

Ultimamente gastam rios de dinheiro, fazem decorações (as coisas mais lindas), colocam centenas de mimos na mesa, fazem bolos de aniversário altamente decorados ( também a coisa mais linda), mas geralmente nem vejo partirem o bolo... Que pena. Só que... Isso tudo é para o aniversariante? Ou para admiração dos adultos convidados? Vamos refletir melhor né.

Não vejo problema uma vez ou outra uma fazer uma festa mais elaborada, mas fazer disso o “comum”, eu acho totalmente errado. Pior que é só o que se vê atualmente...

Outro dia uma cliente estava comentando que no dia seguinte seria o aniversário da filha dela, mas por uma série de acontecimentos, não haveria festa este ano. Ela dizendo que a filha pediu então que comprasse um bolo simples, ingredientes para brigadeiro e perguntou se podia chamar três amigas. Ela disse que foi um dos aniversários em que ela viu a filha dela mais feliz. “A gente faz uma festa enorme, gasta muito, e no fim, não nos damos conta que criança precisa de muito pouco para ser feliz”.

Não digo que nunca farei festinhas mais elaboradas... Mas vou dizer que sou altamente fã de festinhas caseiras. =) Daquelas que tem parabéns rodeado de alguns amigos e familiares, abraços apertados dos avôs, paparico dos tios, corte do bolo (com oferecimento da primeira fatia a alguém mais especial kkkkk) e muita brincadeira com os amiguinhos e os primos. Simples assim.

Mais artigos com esse tema:
http://www.macetesdemae.com/2014/02/10-dicas-para-se-comunicar-com-criancas.html

quarta-feira, 16 de janeiro de 2019

bora ser feliz na mamadeira

Jaque Khury fala de amamentação na web: ‘Bora ser feliz na mamadeira’
Modelo alerta mulheres sobre a cirurgia de redução de mama. Produção de leite materno costuma diminuir e bebê pode precisar de complemento.

Jaque Khury resolveu compartilhar na manhã desta terça-feira, 11, um relato sobre sua maternidade. Preocupada com o crescimento do filho Gael, ela revelou na rede social seu drama: “Meninas, vou falar de algo que alguns dias já vêm acontecendo. Eu realmente tentei de tudo mesmo, recorri a medicamentos, mas devido a minha cirurgia de redução de mama, meu leite foi diminuindo até acabar. Desde a maternidade saiu pouquinho e, por isso, sempre complementei. É claro que gostaria... Fiz acompanhamento médico, tomei remédio, comi bastante e bebi água. Tentei ao máximo o que podia...” desabafou a modelo.

Como a principal preocupação é ver Gael “feliz e saudável”, ela explica a solução para o bebê estar “cada dia mais gordinho”:

“O complemento está sendo muito bom para ele. Por isso, quem já operou o peito precisa ficar atenta se o leite está sendo suficiente. Em alguns casos, nem leite tem! Eu até sai no lucro... O que importa é ver que meu filho está bem. Tem 60cm e 5kg com 45 dias!! Um bebezão. Então se você está na mesma situação, aceita que dói menos. E bora ser feliz na mamadeira", publicou na rede social.

Jaque Khury (Foto: Reprodução/Instagram)